Perdoar Sim ou Não

Perdoar, como é difícil! Parece que a reação imediata para algo que nos prejudique deve ser a vingança. Existem dizeres populares para consolidar essa crença, filmes onde o "mocinho" é movido pela vingança do começo ao fim, com muito glamour e satisfação após a vingança consumida.

O fato é que a forma mais eficaz de nos sentirmos satisfeitos é o oposto da vingança. Dizer "eu te perdôo" trazem efeitos benéficos para nós.

Perdoar não significa ceder, mas esquecer. Como explica a autora Robin Casarjian. "Quando perdoamos, deixamos de estar emocionalmente agrilhoados à pessoa que nos fez mal. O perdão nos liberta do pesadelo com outra pessoa, permitindo-nos viver em estado de graça".

A adrenalina do ódio pode nos dar a sensação de poder, mas o ato de perdoar incute uma sensação de poder muito maior. Quando desculpamos, recuperamos o nosso poder de escolha. Não importa se o outro merece perdão; importa que nós merecemos ser livres.

Há quem pense que desculpar é o mesmo que dizer que estava errado e que a razão estava com o outro. Mas o importante é desvincular os pensamentos e energia do acontecido, ficar mais leve.

Todos esses conflitos que remoemos em nossa mente faz mal a saúde, como afirma o Dr. Redford Williams, co-autor de Anger Kills (O Ódio Mata). "Está provado que o simples recordar do incidente que nos magoou é prejudicial para o coração, provoca estresse, pressão alta e suscetibilidade a outras doenças."

A pessoa que nos fez sofrer pode não ter consciência do mal que estava causando, pode estar fora de si, fraca ou doente. Como escreve Santiago Arguello. "O espinho fere, porque é espinho. Ainda que ele quisesse jamais poderia perfumar...É assim que do meu peito brota um piedoso amor pelo espinho, que não chegou a ser flor."

É impressionante como o verbo "vingar" está presente na vida e nos relacionamentos, ou pessoas que foram desprezadas por alguém que gostava e agora fica na espreita para dar o bote, telefonar para o(a) novo(a) namorado(a), fazer inferno na vida do outro, pensando. - Se não vai ficar comigo eu não vou deixá-lo(a) ser feliz com outro(a).

Até mesmo no casal, quando um não corresponde em algum assunto o outro faz coisas para irritar, ou deixa de fazer algo para o outro a fim de vingar-se, desprezar, falar mal, ridicularizar ou criticar perante amigos, enfim um gama de picuinhas e intrigas que normalmente não constroem, só destroem.
O mais incrível é que as pessoas não se importam em prejudicar a sua vida para vingarem-se de outras."O vingador é alguém que, freqüentemente, não faz o melhor para si mesmo, porque uma pessoa com quem ele está em conflito quer que ele tome esta conduta. É como o adolescente que, mesmo querendo estudar, não o faz para não dar " o braço a torcer" aos pais. Ou o marido que não pára de beber para não aceitar o conselho da esposa, com quem está brigado."(Roberto Shinyashiki).

O ser humano é um complexo de sentimentos e pensamentos, onde o equilíbrio tem se mostrado "o remédio dos remédios".
É muito difícil perdoar, temos esse instinto de reação ao perigo que nos move nessa direção, mas o bem ou o mal que fazemos é para nós mesmos, perdoe nem que seja por puro egoísmo. Comece por pequenas coisas como o motorista que atrapalha o trânsito, ou aquele desafeto que não gostamos.
No fim estaremos nos libertando de pesos desnecessários às nossas vidas. Vingar-se não é necessário, vai apenas aumentar o ódio e provavelmente se voltará contra você. Como disse W.Shakespeare: Guardar ressentimento é como tomar veneno e esperar que a outra pessoa morra.

(André Carvalho e Roseli Sanches Carvalho)