Um vinho, os dois e a lua como testemunha.

Primeiro se inscreveu a irmã mais velha, tinha 32 anos, solteira, sem filhos com o sonho de ter, uma mulher bem estruturada, sincera, uma pessoa doce e forte.
Ela teve a sorte de encontrar o seu namorado, foi o primeiro que ela conheceu, demorou um pouquinho, mas ele tinha características que ela procurava em um homem e ainda de brinde ele veio com seu bom humor.
A história dele era bem parecida com a dela, de boa família, um trabalhador, versátil, sociável, correto e de boa índole se inscreveu na Agencia Par, resolveu depois de muito pensar para encontrar uma namorada.
Ela também foi a primeira pessoa que ele conheceu na Agência Par.
Namoraram um ano, estavam apaixonados e optaram por morarem juntos.
O relacionamento foi ficando cada dia mais forte, alugaram um apartamento, juntaram as escovas de dentes e alguns móveis para fazer do espaço um lar.
A cada dia mais apaixonados resolveram se casar no cartório e assim foi.
Casaram e nem fizeram festa, assim economizaram para viajarem de lua de mel. Foram para a Itália e ela engravidou em Veneza.
A felicidade de ambos era tanta que ao voltar da viagem ela cutucou a irmã: Porque você não entra na Agência Par? Ela dizia: Para encontrar um namorado que valha a pena, assim quem sabe você encontra alguém que seja bom, assim como você queira relacionamento sério.
A irmã pensou, pensou e resolveu se inscrever também. Mas a busca para ela não foi tão simples e rápido para encontrar a pessoa certa. Ela conheceu o primeiro par compatível, mas não o admirou, e sem admiração fica difícil a paixão.
Conheceu o segundo, mas também não gostou, ele tinha alguma coisa que a incomodava. Nem ela sabia explicar. Ele tinha muitas características que ela procurava, mas não virou namoro.
Já fazia um bom tempo que estava inscrita quando ela conheceu o terceiro pretendente, ao enviarmos o perfil dele para ela aprovar a resposta foi imediata, sim.
Ele telefonou no mesmo dia e ela gostou da conversa que tiveram, gostou da voz e de algumas opiniões, conceitos, assim se falaram por uma semana só pelo telefone, foram conversando, conversando, até que marcaram um encontro, para agrada-lo ela usou uma roupa com a cor preferida dele.
Conversaram até o restaurante fechar.
Cada um foi para sua casa depois deste encontro, com a vontade de mais um encontro.
Depois do segundo encontro, um terceiro, um quarto, um quinto e já era namoro, já se falavam todos os dias, histórias de como foi o dia, como dormiu, da saudade, da ansiedade para o próximo encontro, e assim o relacionamento se agigantou, uns meses depois colocaram aliança de noivado, uma garrafa de vinho, os dois e a lua como testemunha, marcaram o grande dia.
Em uma noite de verão se casaram.