Síndrome de Peter Pan

Você sabe aquele indivíduo que pelo número da idade já atingiu a maturidade, mas o conjunto de atitudes e reações em face ao meio social é sem jeito e ás vezes calamitoso não respondendo pelos seus atos? Pode ser que este homem seja a vítima da Síndrome de Peter Pan, conforme o Dr. Dan Kiley estudou por vários anos, como terapeuta o comportamento de adolescentes e casais recém-casados com dificuldades de relacionamento. Esta é uma síndrome exclusivamente masculina e que invariavelmente enlouquece as mulheres, o homem permanece no relacionamento colocando regras, mantendo distância, não compartilhando os sentimentos, agindo de maneira egoísta, sem aceitar desafios ou opiniões contrárias ás suas idéias, seguindo somente ás suas crenças e agindo com manipulações infantis. Peter Pan buscava ouvir histórias de si mesmo, para reforçar suas projeções de perfeições, o narcisismo protegia-o da solidão e do medo. Alguns exemplos citados pelo Dr. Dan Kiley:

- “Gregário e solitário= A vítima da SPP ama as pessoas; pelo menos dá esta impressão. Vive cercando-se de inúmeros amigos e zanga-se só em pensar ter perdido algum programa. É dos últimos a sair das festas a fim de aproveitar TUDO. Você, do lado oposto da sala pensa: O pessoal  já está com cara de cansado. Como é que ele não nota? Porquê será que está rindo tanto? Não vejo nada de engraçado”. A resposta é que pelas gargalhadas, ele está tentando extinguir os ecos da solidão. Pois, apesar de seu espírito gregário, de seus amigos e de sua obsessão por festas, a vítima sente-se muito só, mesmo em meio à multidão. Há uma enorme distância psicológica entre a vítima e as outras pessoas. Ainda que esteja ao lado de um amigo ele se sente a um milhão de quilômetros de distância. Em geral se acostuma a isso e o aceita como normal. Um solitário no meio da multidão provoca pena.

- Fiel e flertador= você pensa que o conhece, porém desconhece-o totalmente. Está afirmação é válida para você?  Você acredita nele quando diz que é fiel a você, mas em festas e reuniões ele pouco faz para disfarçar seus flertes. Ele se entrega tanto a tentativa de impressionar outras mulheres que acaba se tornando ridículo. O homem vítima da SPP, afirma à namorada, amante ou esposa que ela é o centro de seu mundo. A maneira dele é mesmo. Porém aquele olhar sedutor para as outras mulheres é mais que uma coisa passageira. Ele parece compelido a dar “cantadas” freqüentemente pueris em mulheres que não passam de meras conhecidas. E não é muito discreto em seus flertes. Não é raro esse homem querer falar-lhe sobre seus desejos sexuais em relação a outras mulheres, como se não tivesse consciência de seu ciúme. Ele deseja abrir-se com você, como se você fosse sua irmã mais velha ou, o que não é de se espantar, sua mãe. Para compreender essa atitude você precisa entender seu narcisismo. Sua necessidade de aceitação é tal que ele distorce a realidade, imaginando que vence todos os outros homens em erotismo e que privar as outras mulheres do homem mais sexi do mundo é correr o risco de magoá-las. Sei que isso parece inacreditável, mas costuma ser bem real.  

A Síndrome de Peter Pan é um estado de imaturidade emocional que começa com ansiedade e narcisismo e termina em desespero. É um fenômeno sócio-psicológico detectado em homens que embora tenham atingido a idade adulta, são incapazes de encarar os sentimentos e as responsabilidades dos adultos. No esforço de esconder seus fracassos recorrem ao fingimento e a falsa alegria esta síndrome não ameaça a vida, mas põe em risco a saúde mental da pessoa.”

Enquanto o autor lia uma peça infantil conhecida como Peter Pan o famoso menino da “Terra do Nunca”, ele ligou alguns fatos da peça, relacionando com a realidade que ele estava vivendo em seu consultório no atendimento de alguns pacientes adolescentes que se recusavam a “crescer” e a casais recém-casados procurando uma forma para não se separarem porque apesar do amor que um nutria pelo outro, o comportamento masculino colocava a relação em situações desastrosas. Ele percebeu que aquele herói brincalhão ao seu ver era “um adolescente muito infeliz que se encontrava a beira do abismo entre o homem que não quer ser e o menino que já não é”.Este menino-homem se não for ajudado amargará muito na vida porque para ele a vida é uma perda de tempo, mesmo ele escondendo esta tristeza através de piadas, ele encara a vida como uma caverna vazia e não liga a mínima para nada, mas se ele apegar-se a alguém ficará desesperado.

O receio sem objeto ou relação com qualquer contexto de perigo é o que se prende na realidade é uma causa psicológica inconsciente, essa ansiedade pode ter sido causada pela influência dos pais, por muitos fatos ocorridos no desenvolvimento da criança, palavras, comparações de papéis ou mensagens ocultas, que ás vezes podem parecer inocentes, são alguns dos ingredientes que causam este desastre na vida do adulto, dando a ele a falta de discernimento no conjunto: irresponsabilidade, conflito relativo ao papel sexual, narcisismo, chauvinismo e conseqüentemente o desalento.

Para sair desta situação o ponto de partida é o amor, ele dá o alimento necessário para produzir a energia importante para promover a força de sair da “Terra do Nunca”.

Outros ingredientes são esperança, confiança e coragem para mudar, colocar no caminhão as ferramentas necessárias para enfrentar os medos. A ajuda de um terapeuta de confiança pode dar algumas ferramentas indispensáveis para uma boa estrada.