Namoro

O começo de um relacionamento é bastante encantador, nesta fase nos sentimos completos num estado de comum união. Quando a comunicação é plena e intensa, acontece alimentação para as duas partes, um alimenta a fome de amor do outro, um clareia o escuro da solidão do outro.

Na fase romântica, trocam vibrações e energias, as sensações de isolamento e solidão desaparecem. A confiança é grande e isso nutre a intimidade.

Começamos a fazer parte de um mundo de fantasias, onde tudo é perfeito, infelizmente neste momento esquecemos que "o amor é cego", a gente guarda em uma "gaveta" as coisas negativas como: arrogância, desconfiança, ciúmes e fuga (gaveta das frustrações), que com o tempo poderão desgastar o desejo e o amor. Sempre em função da falta de comunicação e compreensão nos relacionamentos. É preciso resolver e esclarecer tudo que cai nessa "gaveta das frustrações", ela sempre deve estar vazia, sem acúmulos. Todo relacionamento tem dois lados, ou são construtivos ou destrutivos, precisamos escolher pelo melhor lado. Isso nos ajuda a cultivar o amor. Ignorar os sinais de perigo, achando que tudo se resolverá sozinho, é engano, precisamos estar atentos. Em compensação virá a ternura ao cuidado com o outro e a identificação.

A crônica "Um Garoto chamado Namoro" de Rogério Vanzelli mostra algumas salas que fazem parte do nosso ginásio psicológico e também alguns defeitos prejudiciais ao namoro.

UM GAROTO CHAMADO NAMORO

"Na Vila Relacionamento, mora um rapaz chamado Namoro. E esse garoto guarda um segredo. Ser igual ao seu vizinho, Casamento. Namoro é apenas uma criança, fica feliz por qualquer motivo. Por mais tolo que possa parecer o motivo, ele fica muito, muito alegre mesmo... Sabe transformar coisas simples em emoções deliciosas.

Seus vizinhos, Arrogância e Fuga, não entendem como alguém pode ser tão infantil. Enquanto seus vizinhos perdem tempo em avaliar Namoro, ele vai se divertindo com seu melhor amigo, Detalhes. O que Arrogância e Fuga não sabem (e talvez nunca saberão) é que o menino Namoro, apesar de estar começando a sua jornada, já sente, com muita amplitude, todas as nuances da vida, através do contato com o seu parceiro inseparável, Detalhes.
É claro que, como em todo lugar nos quais vivem pessoas diferentes, a Vila Relacionamento não é exatamente o espaço mais calmo e tranqüilo para se viver em conjunto.

Mas é assim que eles aprendem e crescem, como uma família. O que harmoniza os moradores é o fato de todos freqüentarem um templo, onde louvam ao Amor. Isso ajuda muito, sempre ajudará!
Namoro é muito curioso e sempre está de olho no seu ídolo: o senhor Casamento (um sábio que mora nas proximidades). Muitas vezes, Casamento aparenta ter a idade de um velho, mas, quando acorda disposto e decidido a mudar, mostra que carrega nas veias toda a jovialidade do seu irmão Paixão. Tem seus problemas, mas resolve-os com serenidade e calma.

Enquanto o Namoro não cresce para ser igual ao seu ideal de vida, ele vai aproveitando o seu dia-a-dia, nunca se esquecendo dos seus irmãos: Amizade e Família. Esses irmãos, por incrível que pareça, sempre estão ao seu lado.

Bem, Namoro está disposto a se entregar, sem esperar nada em troca. Senão, já sabe que ficará preso, como seu tio Desconfiança, condenado por ignorar a magia dos que sabem trocar emoções e não acham que serão trapaceados por isso. Tendo muita fé no Amor, Namoro segue sua vida, extremamente protegido, apesar de, muitas vezes, agir apenas por impulso, quando seus primo Ciúmes vem visitá-lo. Mas Namoro percebe que seu primo sempre se dá mal e vive deprimido pelos cantos da Vila.

Todos que passam pela Vila Relacionamento torcem para que Namoro consiga se tornar um rapaz forte como Casamento. Mas, apenas os sábios têm a certeza de que isso só acontecerá, realmente, se Namoro mantiver firme a sua fé no Amor."

É um desafio, para que duas pessoas perseverem unidas, sem por isso deixarem de ser dois indivíduos com a autonomia própria e ao mesmo tempo serem dois sem deixar de estar juntos.
É preciso acreditar no Amor e fazer por merecê-lo.

(André Carvalho e Roseli Sanches Carvalho)